Carreira Comportamento

Fui demitido… E agora? O que devo fazer? Estou me sentindo perdido!

0

Neste momento, as empresas buscam sobreviver e demitem os empregados, sobretudo os com remunerações mais elevadas. A perda do trabalho é seguramente uma das piores sensações de perda vividas pelo ser humano, podendo causar um profundo desequilíbrio e desamparo. O importante é tentar manter o equilíbrio, controlando o ressentimento, a ansiedade e a angústia.

Evite “dar um tempo” ou sair de férias. Sair de férias, mesmo que você esteja merecendo um descanso, só vai fazer você gastar seu dinheiro e atrasar a sua volta ao mercado de trabalho.

A primeira coisa a fazer é estabelecer um novo orçamento familiar, já que está mudando de equilíbrio financeiro. Muito cuidado com seu dinheiro. Estabeleça um novo padrão de vida de acordo com a nova disponibilidade financeira. Isso é essencial. Tenha muito cuidado com propostas “maravilhosas”, de gente que quer tê-lo como sócio em um negócio ou que sabem de um investimento infalível, altamente rentável. Muita gente já perdeu todo o seu dinheiro por ter acreditado em pessoas inescrupulosas.

O segundo passo é tentar descobrir o que aconteceu, mas não com o ressentimento da demissão. É preciso procurar fora de você, buscando as respostas com pessoas que conhecem bem você e a situação. É fácil culpar a crise, o mercado, as tensões políticas ou imaginar uma divergência com a chefia. Contudo, preste atenção. Existem duas armadilhas a serem evitadas: autoflagelar-se, afundando-se em culpas e as expondo a um entrevistador, ou jogar toda a responsabilidade nos ombros da chefia anterior. O importante é que você saiba a causa e consiga comunicar a um entrevistador sem passar mágoas e ressentimentos.

O passo seguinte é dar um mergulho profundo buscando o autoconhecimento. Descobrir no que você é bom, o que faz bem, o que gosta de fazer, quais as suas competências. Para isso, procure apoio, evite fazer sozinho. Busque conselheiros que possam lhe ajudar a fazer esse balanço. Descubra suas motivações, a capacidade de resolver problemas. É importante, também, desenvolver a capacidade de superar as dificuldades comportamentais, a pouca “disponibilidade”, a baixa estimulação, medos e sentimentos de perda e fracasso. A partir daí, monte sua oferta para o mercado. Defina que problemas você sabe resolver. A partir dessa definição, reescreva seu projeto de vida: o que quer, com quem e aonde quer chegar. A partir desse novo projeto de vida você pode construir seu novo projeto de carreira, pois agora você sabe o que oferece ao mercado e aonde quer chegar. Em qualquer entrevista de recrutamento a assertividade sobre o que se espera do futuro tem peso considerável na escolha. Portanto, para ter sucesso, planeje sua vida e sua carreira.

Finalmente, é hora de encontrar no mercado quem precisa das suas soluções. Utilize todos os meios e recursos nessa busca. Concentre-se o máximo possível e evite perder o foco. O apoio de familiares e amigos será importante nessa fase; por isso, deixe que as pessoas saibam que você está em busca de uma nova oportunidade de trabalho.

Em períodos normais, em tempos de pleno emprego, o processo de busca de novo emprego é baseado no conceito de que o maior “problema” para encontrar uma nova oportunidade é a “dificuldade” de transmissão de informações entre os dois lados, aqueles que buscam emprego e as empresas que buscam profissionais. Nesse esquema o “networking” é um dos meios mais importantes e essenciais. Em períodos de crise e recessão, no entanto, com desemprego elevado, a rede de contato perde muito de seu efeito. A nova “lei” do mercado de trabalho passa a ser “ou eu ou outro”. Network se transforma em meio de acesso e não critério de busca. Além disso, a difusão do uso das redes sociais, Internet, e celular transformou completamente a transmissão das informações. Sites especialistas, redes de relacionamento e comunidades específicas passaram a ser o fator mais importante na busca de profissionais e consequentemente de empregos. Agora todos profissionais passaram a ter acesso ao mundo e as informações a partir de suas casas. Mas cuidado. Ficando escondido em casa você não vai encontrar emprego. Melhor usar o tempo disponível circulando, em reuniões, palestras e eventos, em busca de informações e atualização. Mantenha-se exposto, informado e visível. Assim é que se acham novas oportunidades. Atuando, se expondo em várias frentes, abrindo várias portas, indo a feiras e congressos, usando todas as mídias, enfim, aproveitando de todas as alternativas que esses novos tempos permitem.

Então, com base nestas premissas, você vai, mais cedo ou mais tarde, conseguir encontrar uma nova oportunidade e ficará melhor do que antes… As estatísticas comprovam!

Você pode gostar também
5 dicas para um planejamento financeiro excepcional
4 dicas para se tornar um profissional competitivo

Deixe um comentário

Seu comentário*

Seu Nome*
Seu Site/Blog

61bb533f34588db74753df85d3151201PPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPPP